terça-feira, 19 de junho de 2012

Ainda dá tempo - "Um violinista no telhado!

"Um Violinista no Telhado"
No domingo, dia 10, fui ao Teatro Alfa ver o espetáculo "Um Violinista no telhado".

Pra começar nunca tinha ido ao Alfa, imaginava que a sala fosse bem maior (não que seja pequena), o palco bem mais alto, etc etc, acho que confundia com alguma casa de show (Credicard Hall, ou coisa assim). A sala do Alfa é super "aconchegante" e os balcões superiores me lembraram um saloon. E a curtina do cenário da peça me lembrou nossos painéis do espetáculo "A Queima ROupa", mas eles foram bem mais espertos e fizeram uma cortina, em tecido, e nós fizemos painéis em madeira... um terror pra carregar e montar. Enfim, mas não é disso que quero falar e sim do "Violinista".
Aliás o pequeno violinista com cachinhos angelicais é a coisa mais tocante e bela que vejo nos últimos tempos no teatro. É lindo aquele "anjinho" tocando violino. Simples e algo divino.
Ah, mas assim que o José Mayer pisou no palco a platéia veio abaixo! Gritou e aplaudiu! Pô, mas ele nem tinha feito nada demais ainda! Até me assustei e quase me esqueci do pequeno anjo do violino. Mas enfim, também acho o José Mayer "tudo de bom", e até o final da peça fiquei com raiva de não ter aplaudido junto quando ele entrou, porque o cara mandou muito bem e mereceu os aplausos antecipados.
Eu costumava dizer que não gostava de musicais, mas em um curtíssimo espaço de tempo isso foi por terra. Primeiro quando fui ver a pré-estréia de "Enlace - a loja de ourives" e agora me en-CANTANDO com "Um Violinista no Telhado".
O espetáculo é muito bem feito, bem trabalhado, um figurino belíssimo, elenco super afinado, ótimo texto, divertido, belas canções, coreografias empolgantes (dá vontade de dançar junto), uma fotografia linda! Aquelas "luzes" nas casinhas no fundo, o trenzinho passando, dá vontade de chorar, uma saudade de não sei o que...
Ah, os atores cantantes mandam muito bem!Eu nunca tinha imaginado o José Mayer cantando e curti muito, boa surpresa (e ele mais uma vez merece os aplausos antecipados), um vozeirão muito bom de ouvir. Nossa! E o maravilhoso Tenor Russo (Ricca Barros). E a coreografia dos "soldados" na cena do bar! Muito bom!
A peça prima pelos detalhes. Nos olhares dos atores, nas respirações, nos tempos muito bem colocados. Cenário impecável. Fiquei querendo mais, passou rápido!
Amei (e odiei) particularmente uma personagem, o Chefe de Polícia. Ele dava medo e raiva. O ator Luiz Carlos de Moraes foi perfeito. Uma outra menção que não quero deixar de fazer é ao ator André Loddi no papel de Motel, divertidíssimo.

Quanto ao Tevye... eu sou ainda mais fã do José Mayer. É muito bacana ver um ator que não se acomoda em ser "o galã", e é muito mais que isso, é um grande ATOR, com toda a entrega ao papel.
E o que fica marcado mesmo é o pequeno violinista tocando no telhado com seus cachinhos à luz da lua.
Quem não viu ainda dá tempo!
Rita Brafer 
Serviço:
Um Violinista no Telhado
Até 15 de julho
Duração do espetáculo: 2h35 (com intervalo de 15 minutos)
Classificação indicativa: LIVRE / Recomendação a partir dos 5 anos
TEATRO ALFA
R. Bento Branco de Andrade Filho, 722 - Santo Amaro
HORÁRIOS DO ESPETÁCULO
Quintas, às 21h. Sextas, às 21h30. Sábados, às 17h e 21h. Domingos, às 17h.

sábado, 16 de junho de 2012

Receita do Grumete - sal de ervas

Dessa vez o Grumete aproveita a Campanha do SUS traz uma dica que pode fazer bem para todas as suas receitas.
O "Sal de ervas", que substitui o sal comum e é ótimo para quem tem pressão alta (e para quem não quer ter)
As ervas ajudar, entre outras coisas a facilitar a digestão, reduzir os gases e ajudam no tratamento de infecções intestinais.
Receita do Grumete - #ficaadica

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Tem Arraiá na Aldeia da Mata

Boa sexta geladinha galera!!
Pra quem tá em Sampa nesse final de semana, a dica da Cia. Nó ao Vento é o Arraiá da Aldeia da Mata! Sábado e Domingo, bem pertinho do Metrô Marechal e do Terminal Princesa Isabel.  Tá friozinho, tá chovendo, mas tenho certeza que vai ser prá lá de divertido!
Até lá!!!
Al. Eduardo Prado, 254 - Campos Elíseos - 09 e 10/06 das 10h00 as 22h00

sábado, 2 de junho de 2012

Qual a sua visão de Sampa? Por Marli Pereira

A Marli Pereira, nossa querida maruja, escreveu um lindo texto que nos faz passear pelas ruas, bairros e estradas de Sampa, por ocasião da leitura dramática feita em várias bibliotecas, pelo grupo de teatro do Oficina, Uzyna Uzona. E dedica o belo texto a todos sertanejos paulistas e paulistanos, a agradável experiência.


"Meu amor por São Paulo é brincalhão,
como a própria cidade.
Ela é de 25 de janeiro, 25 de março, 7 de abril,
23 de maio, 9 de julho, 7 de setembro,
15 de novembro.

Minha cidade é de Aquário.
E muitas águas: Água Fria, Água Funda, Água Rasa.
Fica Interlagos.
Para desembocar tem o Tietê do Agreste e o A-nhan-ga-baú da Felicidade.

Minha cidade é do Perus! Da Penha, da Lapa, de Pirituba do Jaraguá, do Jaguaré.

Contém o feitiço de todas as vilas: Maria, Mariana, Clarice, Guilherme.

Tem nomes esquisitos: Sapopemba. Pimba!!!
Itaquara, Jabaquera,
perdão:
Itaquera, Jabaquara...

Terra de todos os santos: Amaro, Miguel, Santana, São Paulo.

Itaim, eu fiz tudo prá você gostar de mim...
Assustou-se. Buuuu...tantã. Tá todo mundo louco, oba!!!


Minha cidade que não pára, é Oficina.
O Uzyna fez de São Paulo uma zona...
Zona Norte, Zona Sul, Zona Leste e Zona Oeste.
Cruz bendita de integração, que culmina na Sé.
É só."
(Marli Pereira)

Qual a sua visão de Sampa? Por Sérgio Yamamoto

Bom dia!
Taí um assunto que despertou a galera, e estamos amando! 

A do marujo Sérgio é uma música, e a sua, qual é?

"Essa é uma das minhas músicas preferidas sobre SP pq ela fala para quem mora aqui, independente do lugar de onde veio, pq aqui todo mundo veio de algum lugar. Aliás, essa é a riqueza e a paisagem mais bonita de SP. 
Depois eu mando outras coisas pois esse é um assunto que eu adoro e respiro." Sérgio Yamamoto



BOM DIA SÃO PAULO - Tico Terpins/Zé Rodrix
Joelho de Porco

Bom dia São Paulo estou aqui
Tentando esquecer o que eu nunca aprendi
No ar tão cansado de quem desvairou de vez
Bom dia São Paulo

Bom dia São Paulo agora sim
A tua garoa mora aqui dentro de mim
As luzes no asfalto aqui brilham sempre assim
Bom Dia São Paulo

Meu coração e você são um novelo de lã
São viadutos vazios são 3 horas da manhã

São São Paulo hoje eu vi
Eu estou aceitando o que eu nunca admiti
Nem eu nem São Paulo podemos parar
Bom dia São Paulo um dia eu vou saber
Quem foi que te obrigou a crescer
E aqui em São Paulo um dia eu hei de ver
Por entre a chuva o sol nascer

Bom dia São Paulo
Estou aqui

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Qual a sua visão de Sampa? Por Admir Calazans

SP é a megalópole plural...
Nela consigo pegar um ônibus e ver um mix de raças, de geração cultural, de idade, de personalidades.
Consigo andar nas ruas e me deliciar com meus olhos à aguçar caminhos inexplorados ao alto, ao lado, abaixo, ao horizonte. Aliás, essa terra me deixa confuso, feliz, irritado, amável,feliz...............................
                                                     
                                                      SP é amor a perder de vista!
                                                      Dimi (Admir Calazans)


 

Qual a sua visão de Sampa? Por CHICO CANINDÉ

 Recebemos um texto do Chico Canindé retratando a sua visão de Sampa. Obrigada Chico, salve!

Sampa sampa tu me encanta andei escondendo o choro adorei tua ajuda pois quem chorava era o céu.
Eu na chuva feliz e sorrindo com a fuligem derretendo.
Uma cachaça no Labarca uma abraço na Fernanda Fernanda não nadinha.
Falar horas nos Parlapatões tomar outra no PPP e levar uma bronca por ser pego abraçando uma amiga no banheiro coisas que ainda faz um jovem amigo do tempo.
Lembro da década de 70 as passeatas estudantis as passeatas poéticas - com os grupos Saguinovo Arte na Rua Solta a fala coração.
Saude e saudade de Reca Poletti Marise Pachego Edmilson Costa Alvaro Cardoso e dalhe poesia.
Uma cachacinha no Riviera... antes na praça Benedito Calixto ... o tempo me fez esquecer o nome do teatro que tinha lá alguém ai lembra?
O teatro Markanti hoje é um estacionamento mas conheci Fernando Lona Vidal França tempos escuros... mas estávamos la luta com poesia e esperança na luta por um Brasil democrático.
São eu te amo tanto e minha cabeça louca geme e geme. Putz praça rusivelte ali do outro lado na Caio Prado era o castelinho e o colégio Equipe.
Greve dos metalúrgicos passeatas bombas de efeito moral cacetadas e aluta pelos últimos presos políticos do Brasil teatro na rua e pau comendo mas não esquecíamos a solidariedade.Quem estava preso em itamaracá não estavam só.
Cezar Viera e o união e olho vivo revolução Sandinista e o teatro núcleo de são miguel Maia celso Fratechi Denise del Vechio e agente com dois na mina tempos escuros mas com poesia agente busca a luz na por um Brasil democrático.
Bar redondo cachaça Tinhorão grande Antonio Carlos Goias Brasil Carlão e banda redonda e viva Plínio Marcos ... tempos escuros deserto na praça Roosvelt teatro X Paulinho Fabiano Sátiros Ivan Cabral e a vida ressurgindo. Como poderia esquecer do cine bujú I e II e depois o cine clube Oscarito e filmes memoraveis (Dodeskadem e Pasqualino sete belezas ... a classe operaria vai ao paraíso Mimi o metrálgico..) e no cine arouche a comilança e 1900.
Caramba e rua treze de maio o cafe do bexiga hoje lá na altura da cons. Carrão tem o arte lua nova tudo muda na rua Abolição temos o ECLA e povo do bloco do saci.
E este que vus escreve criou o teatro d´s águas e hidrocidadania.
Sampa sampa que saudade hoje estou em Natal mininos podem olhar no google das passeatas a hidrocidadania.
 
Chico Canindé.
Vejam o blog http://hydrocidadania.blogspot.com