sexta-feira, 25 de abril de 2014

Vem aí A Caravana da Ilusão


"...somos feitos da mesma matéria de que são feitos os sonhos. Existimos porque alguém nos sonha... Diziam também que somos hóspedes das grandes fantasias noturnas dos homens, tão intensas que nos tornam visíveis àqueles que estão acordados... Mas diziam, e isso me parece terrível, que, quando que nos sonha acordar, nós desapareceremos..."


quarta-feira, 23 de abril de 2014

Como fui arrebatado pelo teatro - por Bruno Perillo

 
O ator em cena
Desde criança, o sonho da experiência teatral, de várias maneiras, flutuou dentro de mim. Nas festas, organizávamos apresentações – que continham desde truques bizarros de mágicas a paródias musicais, e claro, as primeiras cenas teatrais.

 Me lembro de frequentar teatros também. Meus pais me levavam para ver peças infantis no Ruth Escobar, pois mamãe trabalhava ali em frente, no Hospital Menino Jesus.

Entretanto, já mais crescido, algo marcante ocorreu.

Um dia, meu pai quase me arrastou para assistir a uma montagem de Romeu e Julieta, do Antunes Filho. Por acaso naquele dia, na verdade, eu não estava nada a fim de sair – sei lá por quê – mas o velho acabou me “obrigando” a ir.

E assim, lá fomos nós (será que era no Sesc Anchieta? acho que sim...). Eu com um humor que, se já estava ruim, só piorou diante da ordem paterna.

Incrivelmente, durante a sessão – e isso eu não me esqueço – aquilo que se via no palco foi aos poucos me tomando de tal maneira que, ao final, eu me senti numa espécie de nuvem.

Entrei num estado de êxtase, pois nunca tinha passado por uma experiência semelhante. O mau humor se transformou em alegria plena. Graças ao esforço de papai.

Desde então, talvez até mesmo de modo secreto para mim, me apaixonei pelo teatro, e provavelmente eu soube, na inconsciência juvenil do meu ser, que era aquilo que eu deveria e desejaria fazer para sempre.

Acredito, até hoje, que o grande teatro reside na sua capacidade de ser uma experiência transformadora para um indivíduo.

Bruno Perillo é ator


quarta-feira, 9 de abril de 2014

Como fui arrebatado pelo teatro – por Roberto Mega Jr.

Entrei em contato com a minha amiga Rita Brafer e falei: “Quero começar a fazer teatro, conhecer pessoas, dar boas risadas...” Simples assim.

Mas falando sério, não foi tão simples assim!


Como Roux com a atriz Gabriela Vieira
(Chocolate)
Minha paixão pelo teatro começou em um momento não tão bom, estava me sentindo meio sozinho (nada de depressão), mas com uma garra de mudar tudo e me divertir muito.

Ao entrar no Teatro Escola Macunaíma conheci um mundo novo, professores que foram minha base e pessoas sensacionais que tenho no meu ciclo de amizade até hoje.

Entrei no Macunaíma com uma meta, interpretar um dia um dos personagens de uma peça consagrada - Navalha na Carne. Meta alcançada quando fui o Vado em uma só cena, mas com toda a energia que sempre coloco em tudo que eu faço.

Após diversas cenas, improvisações, chegou o momento da estreia da primeira peça – Chocolate, no papel de Roux, interpretado no cinema por Johnny Depp, de quem sou fã.

Ao sair do Macunaíma puder estar ao lado de grandes nomes do teatro, acompanhando e trabalhando como Assistente de Produção.

Hoje, os ventos sopram e em breve estarei nos palcos, com a Cia. Nó ao Vento, vivendo o Lorde em A Caravana da Ilusão.



Roberto Mega Jr é ator integrante da Cia. Nó ao Vento e está no elenco do espetáculo A Caravana da Ilusão, de Alcione Araújo.