sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Como fui arrebatado pelo teatro, por Sérgio Rufino


Sérgio Rufino em cena
Bom..., acho que foi meio que por acaso... (ou será que não? rsrsrs)
Com dezesseis anos fui acompanhar um amigo num curso de iniciação teatral, promovido pela prefeitura de minha cidade, São José do Rio Preto, SP. (1981), durante as férias escolares. Aliás, Rio Preto é sede do Festival Internacional de Teatro (FIT) de São José do Rio Preto, um dos maiores do Brasil.

No final do curso houve uma montagem, Rei Momo, de César Vieira.
Quase 30 atores no grupo.  Mas a peça tinha personagem pra todo mundo, rsrs.

Acho que o “arrebatamento” foi se dando durante esse processo todo, até a estreia , no palco do Teatro Municipal de São José do Rio Preto (Casa cheia!), pois eu percebi que ali, naquele palco, eu me sentia inteiro, vivo, criativo... Eu havia encontrado algo que me realizava, e, claro, isso é muito bom!

Depois de estrear minha primeira peça, fiquei pouco anos na minha cidade, antes de me aventurar em São Paulo, mas nesse período assisti a muitas peças profissionais que se apresentaram no Teatro de lá.

Grandes atrizes e atores (Cleyde Yáconis, Walderez de Barros, Hugo Della Santa, Eurico Martins, Lilia Cabral, Silvia Poggetti, Fernando Neves, Glória Menezes, Esther Góes...), grandes trabalhos..., que só foram confirmando o que eu já vinha sentindo a respeito do teatro e dessa nossa arte de atuar.

O Trabalho mais marcante para mim, na época, foi Macunaíma, direção do Mestre Antunes Filho.

Sérgio Rufino é ator